Parque Nacional do Itatiaia – 80 anos
2 de junho de 2017
Sobre Alex Honnold e o (im)possível
9 de junho de 2017

Jeff Santos – on the road

A trilha - foto Insta: @distancialonga

A história do Jeff Santos é um tanto parecida com a minha. Não só pelo fato de sermos mineiros, mas porque escolhemos a aventura como modo de vida… e de realização. Eu, as montanhas. Ele, as trilhas.

Jeff nasceu no interior de Minas Gerais, mas foi viver em Belo Horizonte. Na capital, se tornou produtor de eventos e foi fundador da Motor Music. Depois de noites de muito trabalho, sem dormir, se dedicando a shows e turnês, ele resolveu largar tudo e se mandar pra Austrália. Foi lá que descobriu sua paixão por trilhas (ele fez Manly Scenic Walkway – 12 km, em três horas). Na volta, se jogou no Caminho da Fé, uma peregrinação ao Santuário Nacional de Aparecida (SP), e na Estrada Real, que vai de Paraty (RJ) a Diamantina (MG). Foram mais de 1600 km cruzados a pé e sozinho.  

Com aquela sede de buscar cada vez mais conhecer e ultrapassar os próprios limites, sentimento que brota na alma do aventureiro, neste ano, ele escolheu atravessar os 3540 quilômetros da Appalachian Trail, nos Estados Unidos. Também sozinho (essa escolha é o tempero do negócio). Como ele mesmo explica em seu texto no blog do site da Spot Brasil, “a trilha é a maior do mundo para se fazer exclusivamente a pé. É um monstro que cruza 14 estados e tem uma altimetria que, ao final, seria como se você tivesse escalado o Monte Everest 16 vezes”. Pensa!

Hoje, exatamente hoje, dia 6 de junho, Jeff entra no dia 53 dessa aventura.

Em Virgínia – foto Insta: @distancialonga

Pelo site longadistancia.com é possível acompanhar cada detalhe da jornada, desde a preparação e as reflexões antes da partida, passando pelos os desafios, devaneios, as dificuldades e superações. E ele ainda tem chão pra encarar.

Ler os textos só faz despertar um sentimento de paixão pela vida, pelo desconhecido, pelo acolhimento das pessoas que cruzam o caminho, pelo valor do momento. E tá tudo muito detalhado (incluindo as questões técnicas da travessia). Intensidade, ali, é mato. Sim, dá pra se teletransportar pra junto do cara.

Pelo Portal Extremos, também dá pra ouvir relatos do Jeff nos podcasts e, claro, seguir a rota virtual com o mapa da Spot Brasil, traçado com a ajuda do rastreador via satélite, o Spot Gen 3, que está lá com ele na viagem, clica aqui.  

Ainda faltam quase 4 meses na estrada. E eu estou aqui, acompanhando suas experiências compartilhadas, sonhando com a minha próxima aventura, afinal o Denali tá logo ali, dobrando a esquina. Tá sabendo, não? Fica perto do Zillermano que eu vou te contando tudo. #Avante. Sempre.

 

FacebooktwitterFacebooktwitteryoutubeyoutube